quarta-feira, 17 de abril de 2019

Livros da poetisa BARTIRA MENDES com preços promocionais!!!

Livros da poetisa BARTIRA MENDES com preços promocionais!!!



Livro Gratidão . Meus Versos para Ti, Senhor . Bartira Mendes

Editora Fontenele Publicações. Ano 2016. 80 páginas. 21 cm. ISBN - 978-85-92790-19-6
Apenas R$ 15,00 + correios

E na compra dos dois livros, Gratidão, Meus Versos para Ti, Senhor e Momentos poéticos você paga apenas R$ 25,00!!!

Toda renda será revertida para obras de caridade!!!

Entre em contato para saber mais detalhes: bartiramendesrespirandopoesia@gmail.com

ou 

https://www.facebook.com/bartiramendesrespirandopoesia/

Livros da poetisa BARTIRA MENDES com preços promocionais!!!

Livros da poetisa BARTIRA MENDES com preços promocionais!!!




Livro Momentos Poéticos
Bartira Mendes
Editora Bem Cultural . 98 páginas 

21cm . ISBN 978-85-68356-02-9 

Ano 2015 Apenas R$ 15,00 + correios

E na compra dos dois livros, Momentos poéticos e Gratidão, Meus Versos para Ti, Senhor, você paga apenas R$ 25,00!!!

Toda renda será revertida para obras de caridade!!!


Entre em contato para saber mais detalhes: 

bartiramendesrespirandopoesia@gmail.com

ou 

https://www.facebook.com/bartiramendesrespirandopoesia/

domingo, 14 de abril de 2019

Grau Mestre, concedido a mim, Mauricio Duarte, por ocasião do meu 20o. Louvor Acadêmico pela AVL


Muito contente por ter recebido o Grau Mestre, concedido a mim, Mauricio Duarte, por ocasião do meu 20o. Louvor Acadêmico pela AVL (Academia Virtual de Letras Antonio Aleixo).


"Num instante chegamos a quatro anos de atividades acadêmicas, entre alegrias, tristezas, resistência na proposta de abrir caminhos à arte da palavra versada estamos cá a festejar a pequenina em idade, mas grandiosa e briosa na altivez ao celebração unidos numa só voz a poesia!

Somos 04 (quatro os fundadores que participaram da primeira reunião no chat acadêmico aos sete dias de Março de 2015.
José Manuel Cabrita Neves.
Emilia Guerra.
José Leite Guerra.
Antonio C Almeida.

Iniciamos em 21 poetas todos membros do grupo poético Intenção & Gestos, hoje, somos 52 usufruindo a vitrine esplendorosa AVL, respeitada e com garbo sendo referência com mais de 20.000 mil seguidores; enquanto Presidente da confraria poética tenho a grata satisfação de promover a GRAU MESTRE, José Manuel Cabrita Neves, Joana Tiemann Gabe, Antonio Montes, Mauricio Antonio Veloso Duarte Anuragi, Emilia Guerra, José Leite Guerra e Antonio C Almeida, notabilizados pelo compromisso ideário de permear poesia a todos os cantos do planeta.
Obrigada por terem no coração o bem querer de serem meus amigos, sobretudo serem AVL!"

Maria Ivoneide Juvino de Melo.
Prresidente.
Maceió, 08 de Março de 2019

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Essa força-alma


Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39



Essa força-alma

Essa voz rouca,
língua sedenta,
olhos nublados,
sentidos todos...

Essa massa oh,
disforme e inócua,
passando e só
sem saber, só...

Essa falta oh,
de consciência e
discernimento,
que grassa sempre...

Essa maldita
ilusão, maya,
que se encarrega
de indiferenciar...

Essa força-alma
que esboroa pelo
copo, tentando
afogar todos...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

terça-feira, 9 de abril de 2019

Minha participação no Livro Antologia Poesia Agora 2019

Minha participação no Livro Antologia Poesia Agora 2019 da Editora Trevo com o poema
O Mundo.






O mundo

O mundo é como um pião.
Gira, gira e não para...

Só para quando chega
a morte, aí não é mais pião,
ilusão; é só lembrança...

O mundo é como um peão.
Mais importante peça...

Mas não serve se deixar
a frente de batalha;
aí não é peão, é, sim, um rei...

O mundo é como um pão.
Alimento básico...

Só não é alimento para
os que partiram daqui;
aí não, o pão não alimenta...

O mundo é como um piau.
Peixe fluvial, de rio...

Só deixa de ser peixe,
quando pega o alto mar;
aí é baleia, imenso mundo...

Mauricio Duarte



Quem quiser adquirir um exemplar, entre em contato comigo por aqui mesmo ou pelo e-mail: duarte.mauricioantonio.maurici@gmailcom ou telefone - fixo: 21 2 7010439 - celular: 21 975533062.

O livro conta com 196 poemas de 196 poetas.
260 páginas
miolo PB
capa colorida
1a. edição: março de 2019
São Paulo
ISBN . 978-85-69577-82-9
R$ 40,00 + FRETE (correios)

segunda-feira, 8 de abril de 2019

As peças expostas na EIXO 2019 por mim estão todas à venda no site Displate

Recentemente passei a participar do site Displate que disponibiliza posters de prints em metal com peças de artes visuais.

As peças expostas na EIXO 2019 por mim estão todas lá à venda em diversos tamanhos.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)






Clique no link: https://displate.com/mauricioduarte/abstract-expressionism

sábado, 6 de abril de 2019

FRANK ABAGNALE E LAÉSSIO OLIVEIRA

Texto do Escritor e Acadêmico Fernando Félix Carvalho, antigo Presidente da AGLAC:



FRANK ABAGNALE E LAÉSSIO OLIVEIRA

Vi o documentário sobre a vida criminosa de Laéssio Rodrigues de Oliveira que se especializou em furtar livros, desenhos e gravuras raras.
No início dos anos dois mil, os leilões se multiplicavam no eixo Rio-São Paulo e frequentemente seus catálogos registravam a presença de raridades bibliográficas, mapas antigos e obras dos renomados pintores viajantes dos séculos dezoito e dezenove que reproduziram em óleos e aquarelas a inebriante natureza da terra brasiliensis. E os preços subiam constante e vertiginosamente à medida que as disputas se tornavam guerras entre os arrematantes, ao som das ávidas marteladas dos leiloeiros. E muitas vezes essas preciosidades tinham como “proprietários” ladrões refinados na arte de subtraí-las das coleções públicas em museus, bibliotecas e arquivos.
Laéssio começou furtando peças relativas à Carmem Miranda, revistas, fotos, discos, que guardava e vendia nas ruas do Rio de Janeiro e São Paulo, atividade que lhe proporcionou conhecer um contingente de colecionadores dispostos a pagar fortunas, num outro momento, por um pequeno desenho de Debret, Spix ou Rugendas, para ficar apenas nestes. A propósito, em 2008 publiquei, pela Gráfica Falcão, um conto com o título de “O autógrafo”, onde relatei estes momentos de delírio alucinatório em que mergulham os colecionadores.
Aqui cabe um questionamento: Quem é o maior criminoso? Quem furta para vender ou quem compra, sabedor da origem fraudulenta do objeto de desejo? Laéssio é um homem simples, sem posses, cujo amadorismo se vê estampado no seu rosto e linguajar. Ocorre que apenas ele está respondendo criminalmente pelas aventuras, ficando sem punição os adquirentes do malfadado espólio, ocultos pela posição social e econômica de que desfrutam.
Paradoxalmente, como consequência positiva desses atos de vandalismo, pode-se, a partir de agora, aprimorar-se os sistemas de segurança sobre os valiosos acervos das instituições que, em suma, pertencem ao povo brasileiro. Temos uma riqueza artística de grande porte, não apenas nos ambientes fechados dos museus e bibliotecas, mas também ao ar livre, nas praças, nas ruas, nos cemitérios. É urgente uma vigilância efetiva já que os métodos dos meliantes se repetem e são, com algumas exceções, os mesmos em todas as épocas e lugares do Brasil e do mundo, além do que depois do atual aparato tecnológico disponível, qualquer crime deste tipo não aceita mais o carimbo da impunidade.
Nos anos cinquenta, nos Estados Unidos, um jovem, talentoso falsificador, lesou empresas e bancos, públicos e privados, em muitos milhões de dólares. Polícias de vários Estados entraram em prontidão permanente para encarcera-lo, porém o gatuno insistia em brincar e escapar ao cerco, até que um triste incidente familiar o levou a entregar-se. Foi condenado e cumpria normalmente a pena quando recebeu na cadeia uma oferta de emprego honesto. Iria trabalhar para o governo americano, aplicando seus conhecimentos na apuração de fraudes bancárias e falsificação de cheques. Aceitou e tornou-se um dos mais destacados peritos do FBI. Depois de alguns anos de trabalho profícuo, aposentou-se. Hollywood produziu um belíssimo filme sobre o fato com Leonardo di Caprio na pele do falsário recuperado Frank Abagnale Junior.
Por que não tentar a mesma estratégia com o Laéssio? Ele é jovem, inteligente, autodidata, conhecedor de antiguidades, chegando a declarar, no documentário exibido pela Globo News, que o cheiro dos livros o transporta a regiões desconhecidas da mente. Ele demonstra amor pelo passado e tem prazer em manipular relíquias. Sobrevive na corda bamba, aproveitando-se do descaso pela vigia dos nossos tesouros abandonados, aliado ao delírio patológico dos que desejam possuir o proibido, distúrbio comportamental que pode ser vencido inclusive com o implemento de estudos especializados. Em sintonia com as instituições e sempre ao lado do bem, poderia tornar-se um fiel soldado na guarda, manutenção e divulgação dos acervos, parceiro na criação de sistemas de segurança de nossas reservas culturais. Know-how não lhe falta. É muito melhor uma inteligência dessa atuando em favor da sociedade num trabalho limpo, remunerado. E sem prejuízo do cumprimento das penas legais pelos erros cometidos, tudo direcionado para sua reabilitação e reinclusão social. Afinal, não é exatamente este o ideal da Justiça?
Lembrando o episódio Abagnale, há alguns anos um político baiano espertalhão declarou que o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil. Neste caso particular estou com os ianques.

Fernando Félix Carvalho