domingo, 9 de dezembro de 2018

Posse do Acadêmico Mauricio Antonio Veloso Duarte Anuragi na Academia de Letras, Artes e Ciências do Brasil

Posse do Acadêmico Mauricio Antonio Veloso Duarte Anuragi na Academia de Letras, Artes e Ciências do Brasil na Câmara Municipal em Volta Redonda.























O herói de consciência pode conhecer



O herói de consciência pode conhecer
Feita a extração dos nossos sentimentos,
qual minério é trabalhado depois de extraído,
não teríamos de forma alguma nunca caído
nessa mixórdia atual e geral de excrementos...
Caos de uma realidade onde o mal impera,
a vida, desse modo, parece enlouquecer,
nem a cultura, nem coisa alguma, a supera;
só a consciência focada poderia merecer...
Merecer melhor sorte na vida pela catarse,
ação que beneficia o homem e o herói
para, enfim, deixar de lado o ilhar-se...
Arrancar de si mesmo todo esse egoísmo.
Esquecer o tal individualismo exacerbado;
passar a se conhecer melhor e ao heroísmo...
Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Além da Terra, Além do Céu, Tomo III da Editora Chiado


Meu Certificado de participação na Antologia Brasileira de Poesia Contemporânea
Além da Terra, Além do Céu, Tomo III da Editora Chiado.  O poema publicado é: Vazio.



Vazio

Era dos signos-marcas
em todos espaços,
todos lugares, virtuais ou não.
Símbolos-identidades,
tremeluzindo e
piscando ininterruptamente...

Sinergia dos logotipos
em profusão cabalística
a sorrir e deitar-se para
o sexo; vende-se o sexo,
qualquer um, não importa.
Ícones da luxúria onipresente...

São os donos ilimitados
das ruas, shoopings, praças,
bares, avenidas, olhos, mentes.
Lembram-nos do grande
vazio existencial
que enchemos de nada...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)



terça-feira, 4 de dezembro de 2018

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Marcos Paulo Alfa


Marcos Paulo Alfa


Qual o limite da identidade?  A identidade pós-pós-moderna – pós-tudo – que nos arranca dos nossos lugares comuns e nos leva para encararmos nossa própria identidade – ou pseudo-identidade – em camadas e todas falsas – diriam alguns... Marcos Paulo Alfa tem a medida exata disto e tira partido deste fato em seu trabalho de graffiti nos muros da cidade bruta, bruta cidade...
As suas criaturas do graffiti podem ser aparentemente “fofas” e “engraçadas”, “pop” e “ideológicas”, “expressivas” e “frágeis”... Porém, em sua maioria, senão na totalidade, permanecem inclassificáveis.  Desde o elefante azul ciclópico de um olho só – ou são dois olhos? – que parece uma figurinha de desenho animado ou de HQ infantil; nada tem de infantil, e altamente gráfico; até o ursinho de pelúcia skatista e grafiteiro com requintes de 3D em luzes e sombras, misturado ao alto tratamento gráfico elétrico.   Passando pelo garoto azul com a TV na cabeça aberta, com o canal que para a sua programação na bandeira do Brasil – gigante eternamente adormecido – e que mais parece um zumbi... com um inconsciente totalmente colonizado e dependente das ondas midiáticas...  E pelo garoto geek azul de olho azul e óculos brancos e forma de gota, reduzido a esse mínimo de forma em gota espermatozóica com expressão deslumbrada e nervosa...  Sua influência nessa arte dos muros são a “galera antiga de Niterói e São Gonçalo”, “todos do graffiti.”
Alfa também é poeta e tem, entre suas leituras favoritas, Castro Alves.  Mas não para aí.  O seu conceito transgressor se estende ao vídeo, tanto como autor e editor quanto no cenário da atuação... A sua inserção artística transpassa o circuito de grafiteiros, artistas plásticos, poetas e atinge os meandros da criação e prática das artes visuais, realizando trabalhos ainda como designer gráfico e ilustrador.
Alfa é uma artista que impressiona pela jovialidade do estilo; desnudando realidades e desarmando olhares, criando suas críticas sociais sem concessões a A, B ou C, indo fundo com o dedo na ferida... Os valores invertidos da pichação não vêm para agradar, mas para incomodar e o graffiti, por sua vez, se apropria desta contradição para transformar o encantamento e a desconstrução em território do que é a arte, para além da “poluição” e “sujeira”, “mensagem cifrada” e “vandalismo”...
Qual será o limite da identidade contemporânea?  Este e outros questionamentos são embates centrais de Marcos em critérios mutantes na política, no social, no econômico, na cultura e no urbano, de um modo geral, sendo subversivo ao extremo... sempre...

Mauricio Duarte

Contatos com o artista:
Whatsapp: 968874064



Leia mais: https://www.divulgaescritor.com/products/marcos-paulo-alfa-por-mauricio-duarte/?fbclid=IwAR1uxrxO2qzhzB__B4hM8M9dt5JLBNzfQ5SKllcYF1JOqOzqWZclypGFCUQ

sábado, 1 de dezembro de 2018

Sessão ALTO IHGM em Teófilo Otoni, novembro 2018

Outorga da Comenda "João da Mata Machado" para cidadãos acima 70 anos e posse de novos membros na Academia de Letras de Teófilo Otoni (ALTO), onde eu, Mauricio Duarte, sou Acadêmico Correspondente. Novembro 2018.

https://youtu.be/inHuoo6Xujs

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

Sessão ALTO IHGM em Teófilo Otoni, novembro 2018





Outorga da Comenda "João da Mata Machado" para cidadãos acima 70 anos e posse de novos membros na Academia de Letras de Teófilo Otoni (ALTO), onde eu, Mauricio Duarte, sou Acadêmico Correspondente. Novembro 2018.