quinta-feira, 8 de novembro de 2018

Certificado para poema de minha autoria - Destaque do 29o. Concurso Internacional Literário ALPAS 21

Poema de minha autoria Destaque do 29o. Concurso Internacional Literário ALPAS 21



Mambembes da vida

Crime sem castigo,
morte em vida desses
tais mambembes em
uníssono a ladrar,
pedindo atenção,
numa mendicância...

No picadeiro e
nesta corda bamba,
vida toda, não,
não podem discutir.
O reflexo é tudo,
o momento é tudo...

Somos astros Del
Gran Royal Circo, oh,
estrela esquecida,
cuja luz espelha
apenas nossa, enfim,
medíocre sensatez...

Mortos, ato final,
jogam das alturas
seus corpos, a espera:
Rede, a salvação,
que nunca vem não.
Mambembes da vida...

Mauricio Antonio Veloso Duarte (Swami Divyam Anuragi)

sábado, 3 de novembro de 2018

Deus... esse desconhecido...


Deus... esse desconhecido...


Não sei quando é, nem quando foi.  Nem tampouco sei se será algum dia. Mas de uma coisa tenho certeza, está sendo, sem se estabelecer no presente, foi, sem se estabelecer no passado, e será, sem se estabelecer no futuro. Do que estou falando? De Deus, lógico. Dele nada pode ser dito sem que se negue ao mesmo tempo a mesma assertiva.
As teorias filosóficas e especulativas a Seu respeito nas diversas teologias, tratados e orações não dão conta da sua magnificência e grandeza infinitas.  Incomensurável é Sua imensidão e incognoscível Sua sabedoria.  Igualmente onipresente é Seu amor que a tudo permeia. Onipotente é a Sua ação e onisciente Seu discernimento.
No entanto, há um abismo entre quem vê e quem não vê essa verdade. Muitos dirão que se trata de mera megalomania da igreja esse louvor a Deus. Sim, porque se somos feitos à imagem e semelhança de Deus, nossa centelha, fagulha, ou como queiramos chamar, nossa partícula divina presente em nós, seria, igualmente, infinita e imponderável por questão de natureza. Não por quantidade, mas por qualidade. E a palavra natureza é a chave. Já que poderíamos ver que os panteísmos de grande números e ordens que povoam a crença – mais ou menos imaginativa ou não – de várias pessoas, nos dias atuais, não permitem vislumbrar a grandeza de Deus.  Ou tornaria essa tarefa um tanto quanto árdua... Porque seria pretensão, pura e simples, que existisse um tal Ser como Deus e que, ainda por cima, fôssemos feitos a Sua imagem e semelhança...
Não quero entrar em mérito nem demérito. Cada um tem a sua fé e a sua crença. Mas me toca profundamente, de forma negativa, trocar Deus por uma natureza Todo-Poderosa totalmente consciente – quando sabemos que em séculos anteriores alguns estudiosos sustentavam que os vegetais não eram vivos, o que corrobora a velha teoria de pêndulo, o pêndulo da sociedade foi de um lado para o outro, nada mais e nada menos; de uma desvalorização da natureza para uma valorização ao extremo da natureza e aí é questão de seguir a maioria ou não seguir a maioria e não do que está certo ou do que não está certo – e que seria parte de Deus ou Deus inteiramente...  Desse modo, o universo em sua infinitude seria a própria consciência cósmica sem tirar nem pôr...
E Deus é esquecido em nome deste panteísmo de pêndulo.  A Pessoa de Deus, Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, em Uma Pessoa é um mistério sagrado que Jesus Cristo veio para revelar e cumprir o que já tinha sido profetizado. Não descarto totalmente a visão panteísta, mas é certo que as ruínas da cristandade podem ser só isto mesmo, ruínas, mas valem mil vezes mais do que mil Gnoses de Princeton da contemporaneidade ou similares.
Quem experimenta Deus em profunda oração – oração centrante, por exemplo – ou em meditação cristã, não pensa duas vezes em apontar Deus como Pessoa.  Porque Deus não é um espírito vazio, Ele é o Espírito Paráclito que veio após a partida de Jesus, sendo também uma Pessoa, o Divino Espírito Santo. Esta percepção só se dá de ser humano a ser humano e é impossível ser traduzida em palavras, na verdade as palavras e os símbolos atrapalham. Deus Pai e Deus Filho também se tornariam obsoletos se não houver tal completude de consciência por parte de quem se volta para o divino.  Na verdade, é o divino é que se abaixa para que possamos nos elevar, e não o contrário. Por nossas meras forças, nada conseguiríamos. “Nada podeis fazer sem mim” disse Jesus Cristo. A vinda do iluminado possibilita nossa ascensão, mas é preciso que nos tornemos devotos.  Deus não tem necessidade nenhuma de ser mestre, mas nós temos necessidade de sermos devotos, por assim dizer.
Que Deus olhe por todos nós e possa agir em favor de uma conspiração de consciência que seja capaz de trazer iluminação a todos.  Amar a Deus acima de todas as coisas não é figura de retórica.  É uma necessidade.  Paz e luz.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)


Leia mais: https://www.divulgaescritor.com/products/deus-esse-desconhecido-por-mauricio-duarte/?fbclid=IwAR1baKBVEwNOfeTzNZSKxnJPfVPskzu6HFxmo2xuOLV-3m21CqtXAE8bGx8

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

O novo de Deus




Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39

O novo de Deus

Trazendo a angústia
e o desespero,
de modo nenhum
percebi o novo,
o  clamor, Deus.
O tal possível,
que, raro, ocorria...

Não poderia estar
mais próximo e,
no entanto, mais
longe do que
a minha mente
imaginava,
alcançava, é...

O alerta só
se deu ao ver
que o tempo podia
parar, momento
a momento, em
imagem de
câmara lenta...

O inesperado
é assim: só se
nota quando é
de prova cabal.
Porque Deus não
testa ninguém
além da conta...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Paulo Coelho - texto selecionado para a AVL




Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39

“De repente comecei a perceber que havia algo errado. Estava forte demais.  Meu pensamento estava ficando nublado, eu comecei a ver um rosto cigano, e imagens difusas em torno deste rosto.  Eu tinha me transformado em Legião.  Este era o meu poder.  Eles abandonaram aquele pobre cão assustado que daqui a um instante ia cair no abismo.  E agora estavam em mim.  Senti um desejo terrível de despedaçar o animal  indefeso.  “Tu és o Príncipe e eles são Legião”, sussurrou Astrain.  Mas eu não queria ser um Príncipe, e escutei também de longe a voz de meu Mestre dizendo insistentemente que havia uma espada para ser conseguida.  Precisava resistir mais um minuto.  Não devia matar aquele cão.
Olhei de relance o pastor.  Seu olhar confirmou o que estava pensando.  Ele agora estava mais assustado comigo que com o cão.
Comecei a sentir uma tontura, e a paisagem em volta rodou.  Eu não podia desmaiar.  Se desmaiasse agora, Legião teria vencido em mim.  Tinha que achar uma solução.  Não estava mais lutando contra um animal, mas contra a força que me havia possuído. Comecei a sentir as pernas fraquejarem, e me apoiei numa parede, mas ela cedeu  com o meu peso.  Entre pedras e pedaços de madeira, caí com o rosto na terra.
A Terra.  Legião era a terra, os frutos da terra.  Os frutos bons e maus da terra, mas a terra.  Ali era a sua casa, e dali ela governava ou era governada pelo mundo. Ágape explodiu dentro de mim e eu cravei com força minhas unhas na terra.  Dei um uivo, um grito semelhante ao que ouvi a primeira vez quando o cão e eu nos encontramos.  Senti que Legião passava pelo meu corpo e descia para a terra, porque dentro de mim havia Ágape, e Legião não queria ser consumida pelo Amor que Devora.  Esta era a minha vontade, a vontade que me fazia lutar com o resto de minhas forças contra o desmaio, a vontade de Ágape fixa na minha alma, resistindo.  Meu corpo tremeu todo.
Legião descia com força para  a terra.  Comecei a vomitar, mas sentia que era Ágape crescendo e saindo por todos os meus poros.  O corpo continuou a tremer até que, depois de muito tempo, senti que Legião havia voltado ao seu reino.
Notei quando o último vestígio dela passou pelos meus dedos.  Sentei-me no chão, ferido e machucado, e vi uma cena absurda diante dos meus olhos.  Um cão, sangrando e abanando o rabo, e um pastor assustado me olhando.
– Deve ter sido algo que você comeu – disse o pastor, que não queria acreditar em tudo que tinha visto. – Mas agora que você vomitou vai passar.
Concordei com a cabeça. Ele me agradeceu por haver contido o ‘meu’ cão, e seguiu o caminho com suas ovelhas.”

Paulo Coelho

(Extraído do livro O Diário de um Mago . Paulo Coelho . páginas 180 e 181 .  45ª. edição . Editora Rocco . Rio de Janeiro . 1990)


quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Dia da Poesia - 31 de outubro - Doce poesia

Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39



Dia da Poesia - 31 de outubro
Doce poesia
Doce poesia,
de doces aromas...
Quis eu estar contigo
nessa onda de letras
palavras, pontos...
Doce poesia,
de diáfana forma...
Quis eu estar contigo
nesse deslindar de versos,
estrofes, métricas...
Doce poesia,
de contundente tema...
Quis eu estar contigo
nessa grande jornada de paixões,
ritmo, consonância...
Doce poesia,
de retumbante retórica...
Quis eu estar contigo
neste apresentar-se de assertivas,
proposições, fantasias...
Doce poesia,
és para mim uma dádiva...
Plena de forças,
maravilhas, prazeres,
poderes e graças...
Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)