terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Já não bastam



Já não bastam

Nada escrevo.
Manchas sob o papel.
São minhas marcas...
São estripulias da caneta.

Nada escrevo, só deixo figuras abstratas:
desenhos, rascunhos, roughs.
Não tenho nada a dizer.
Só as manchas dizem tudo.

Mas se eu dissesse,
diria que já não bastam
as muitas interjeições de horror,
já não bastam...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

3 comentários:

  1. Adorei seu poema.
    Bom dia.
    http://ocantinhodenelmaladeira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Talvez até as manchas já não bastam....
    Gostei...abraços!!

    ResponderExcluir