quarta-feira, 20 de março de 2019

DOIS FATORES




Dois fatores se unem, complementando-se um ao outro na ARTE-ENLEVO:

1o. A catarse - Agitar e chacoalhar o espectador para que consiga desembaraçar-se de seus fantasmas, sofismas e falsas crenças.

2o. O insight - Provocar e suscitar essa compreensão súbita que vem ao encontro de uma nova concepção de realidade, de universo através da arte.

Juntos levam ao ENLEVO, no qual o espectador toca o inefável, o incognoscível ou o infinito.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)

Mandala - Artista Marcos A. Cavalcante - SEÇÃO ARTISTA ARTE-ENLEVO



--------------- Marcos A. Cavalcante ---------------

Desenhos


Guarulhos - SP - Brasil




Mandala
Marcos A. Cavalcante

segunda-feira, 18 de março de 2019

domingo, 17 de março de 2019

Religiões indianas

Religiões indianas




Quase todos os escritores dentro do Panteísmo traçam a sua origem na Índia. M. Maret coloca o clímax do seu argumento contra os filósofos franceses mostrando que suas doutrinas vieram da Índia, “a mãe das superstições”. Pierre Leroux, um dos mais hábeis oponentes de Maret, admite o fato de sua confirmação com muitos elementos das lendas da Índia e, completa, com um ar de triunfo, que “todas as religiões e todas as filosofias tem suas raízes na Índia e que se o Panteísmo não nasceu na Índia, haveria um forte argumento contra essa verdade, e então, a humanidade teria errado o seu início.
Na Índia, a crença no intelecto moderno é combinada com a segurança na infinitude dos deuses. Esse é o problema da religião indiana; é o quebra-cabeças de todo templo hindu. Quando esse problema for resolvido para o hinduísmo, haverá luz iluminando os problemas similares que se apresentam em quase todas as religiões. M. Leroux de novo afirma verdadeiramente: “A religião da Índia não concerne só à Índia, concerne à humanidade.”
A história dos pensamentos dos homens nas grandes questões que podem ser exercidas, Deus e a criação, é em todo lugar o mesmo. Podem haver estágios diferentes de progresso, o desenvolvimento pode ser confirmado ou estacado, pode haver um crescimento anormal; mas a despeito da variedade de fenômenos, haverá sempre uma identidade real.
É na Índia que podemos traçar um desenvolvimento mais completo do pensamento religioso. A continuidade é menos quebrada. Parece que estamos aqui de frente para a religião natural e podemos seguir o rastro de início com pouca interrupção para o lugar onde estamos. Em outros países, a sucessão passou de uma nação para outra nação e essa rota não pôde ser sempre traçada; mas na Índia a conexão é visível entre os primeiros homens capazes de elaborar esse pensamento e os últimos e melhores pensamentos das filosofias mais ricas e proveitosas, bem como os piores desenvolvimentos da religião popular.

John Hunt

Livre Tradução do escritor e artista visual Mauricio Duarte (Divyam Anuragi) do livro Pantheism and Christianity . John Hunt . 1884 . Religiões Indianas

Visite o site Panteísmo e Cristandade com todos os textos traduzidos: https://sites.google.com/site/pantheismandchristianity/home



Leia mais: https://www.divulgaescritor.com/products/religioes-indianas-por-mauricio-duarte/

sexta-feira, 15 de março de 2019

Um assassino nunca viveu


Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39



Um assassino nunca viveu

Olhe: Ninguém em sã consciência
pega um fuzil e sai atirando
a esmo para matar sem saber
o que está fazendo, não é?!?

Isto é verdade, caro amigo!
É sim, procedente o que fala,
mas há um porém, este porém:
Sã consciência não vem do nada.
Precisa ser cultivada e
feita crescer até que seja
inerente à pessoa humana...

Sã consciência não dá em árvore.
Mas pode ser sim uma planta,
nem que seja exótica, cujo
fruto nem seja comestível,
mas que traga o perfume desses
tais luxos que chamamos amor,
compaixão, o afeto, a fé...

Sã consciência é o dia a dia bem visto,
bem vivido, bem refletido,
cotidiano que honre homem,
mulher, vida que valha a pena,
vida que possa ser pensada,
que não tira, que soma vida,
que um assassino nunca viveu...

Em homenagem às vítimas das chacinas em Suzano, São Paulo e na Mesquita em ChristChurch na Nova Zelândia.

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)


segunda-feira, 11 de março de 2019

CONVITE

CONVITE


Convido a todo(a)s o(a)s amigo(a)s para o lançamento da Exposição Coletiva de Arte EIXO 2019, que eu, Mauricio Duarte, participo como artista.
Exposição: coletiva EIXO 2019
Lançamento: 30 de março
Horário: Das 19h às 22h
Local: Galeria Reserva Cultural - Av. Visconde do Rio Branco, 880 – São Domingos, Niterói RJ – CEP 24020-007
Entrada Franca
Coordenação de Arte Reserva Cultural – Vilmar Madruga
Coordenação EIXO Arte - Sara Figueiredo (21) 99118 1006 ou eixoarte@gmail.com
Site: www.eixoarte.com.br
Dia 30 de março – Lançamento da exposição virtual coletiva EIXO 2019;
19horas às 22horas – Projeção da exposição virtual coletiva EIXO 2019;
20h – Vídeo performance, Floresta Líquida– Luiz Badia.

sábado, 9 de março de 2019

Certificado de Membro Acadêmico Vitalício

Certificado de Membro Acadêmico Vitalício
conferido pela AVL (Academia Virtual de Letras Antonio Aleixo)


Comenda de Louvor Antonio Fernandes Aleixo da AVL

Comenda de Louvor Antonio Fernandes Aleixo da AVL a mim, Mauricio Antonio Veloso Duarte Anuragi, agora Acadêmico Perpétuo.



Agradeço à AVL e à Maria Ivoneide Juvino de Melo, nossa Presidente e amiga.
Viva a Poesia!
Um Por Todos e Todos Pela Poesia!
AVL outorga com honras ao poeta acadêmico perpétuo Mauricio Antonio Veloso Duarte Anuragi a Comenda Antonio Aleixo ANO IV,desejando vida longa, sucesso na labuta AVL, onde a poesia se faz reinar permanentemente!
Maria Ivoneide Juvino de Melo.
Presidente AVL
Maceió, 07 de Março de 2019
— com Mauricio Antonio Veloso Duarte Anuragi.

sexta-feira, 8 de março de 2019

Mulher da minha vida

Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39



Dia Internacional da Mulher


Mulher da minha vida
Mulher da minha vida...
Mulher que me grita
quando na menopausa.
Mulher que me beija
quando amando.
Mulher que me envolve
quando em doces abraços.
Mulher que se pinta.
Mulher que se veste.
Mulher que se despe.
De quais encantos é feita
a sua magnificência?
Estaria eu destinado
a morrer em seus braços?
Morreria no melhor
dos mundos então...
Mulher das minhas paixões,
mulher dos meus amores.
Simplesmente ser mulher
é sua maior qualidade.
Mulher da minha vida...
Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)


Feliz Dia da Mulher para todas as mulheres do Brasil e do mundo!!!

Esses filhos da cidade


Academia Virtual de Letras
Patrono: Paulo Coelho
Acadêmico: Mauricio Duarte
Cadeira: 39



Esses filhos da cidade

Estripulias das lâmpadas
brilhando e piscando ao redor
desses filhos da cidade.
Os tais moribundos, sim,
vagando por avenidas,
que teimam em, natimortos,
continuar, mesmo abortados...

Candeias dos nossos letreiros
anunciando e vendendo é,
os corpos dos filhos da city.
A big city que nos
olha de volta, tentando
saber porque foi construída,
compreender o que queremos...

Ofuscamento das luzes
em alta voltagem a
cegar mais do que iluminar.
Esses filhos da cidade,
cujas vidas não são vidas,
são números, formando os
cadáveres que se amontoam...

Mauricio Duarte (Divyam Anuragi)